sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Um ano de amor para todos: É disso que o mundo precisa!!

Feliz ano velho. Feliz ano novo.



2010 foi um grande ano!
Que ano bom! Cheio de amor!
Que 2011 seja tão abençoado e feliz como este!
E vamos rezar pela mega da virada! rs rs
Até o ano que vem.
Posted by Picasa

Receita de ano novo


Para você ganhar belíssimo Ano Novo 
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;
novo até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?)
Não precisa
fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumidas
nem parvamente acreditar
que por decreto de esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.
Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

(Carlos Drummond de Andrade)


sábado, 25 de dezembro de 2010

Página 369

A vida, entendeu, era bem parecida com uma música.
No começo há mistério, e no final, confirmação, mas é  no meio que reside a emoção e faz com que a coisa toda valha a pena.
Pela primeira vez em meses, não sentiu dor alguma; pela primeira vez em anos, obteve as respostas às suas perguntas. Ao ouvir a música que Ronnie havia composto, a música que Ronnie havia aperfeiçoado, fechos seus olhos sabendo que tinha terminado sua busca pela presença de Deus.
Finalmente, havia entendido que a presença de Deus está em todo lugar, em todos os momentos, e é sentida, em um momento ou outro, por todas as pessoas. Estava nos momentos em que havia trabalhado com afinco na janela com Jonah; estava nas semanas em que havia passado junto com Ronnie. Estava ali e agora, enquanto sua filha tocava aquela música, a última que iriam partilhar. Em retrospectiva, perguntou-se com tinha deixado de perceber algo tão incrivelmente óbvio.
Deus, entendeu subitamente, era o amor em sua mais pura forma e, nesses últimos meses com seus filhos, tinha sentido Seu toque com a mesma certeza que ouvia a música pelas mãos de Ronnie. 

Trecho do belíssimo livro A última música, de Nicholas Sparks

Noite feliz. Dia feliz.

Que lindo dia e noite de Natal. Estar com a família é um presente. E me desculpe quem não gosta, sei que tem muito de comércio e tudo o mais, mas é muito bom ter um dia especial pra lembrar de Jesus e ficar com quem a gente ama. Infelizmente a vida não nos proporciona tempo suficiente para fazermos isso sempre, então que benção é o Natal. Ver o sorriso da minha cunhada com o seu bebê nos braços, olhar o Gabriel cada dia mais lindo e com saúde, ver o brilho nos olhos da Ju, cheios de orgulho, por ser mãe de um anjo. Ver a Nathália virar uma linda mulher, minha irmã super realizada em reunir a família em seu novo lar....Ver meu amor brincar  como criança com o Ricardo. Ver minha mãe feliz em ver a gente feliz, e juntos. Eu verdadeiramente me alimento da felicidade daqueles que amo. Cada sorriso, cada abraço ficam registrados em minha memória e são meus amuletos da sorte para superar as dificuldades da vida. Porque elas existem, é claro, mas se tornam mais leves quando a gente tem o essencial no coração: o amor. Essas pequenas coisas, tão pequeninas, é que nos dão força e coragem de seguir em frente. Meu coração transborda de tanto amor, de tanto agradecimento. 
Um feliz natal a todos!




domingo, 19 de dezembro de 2010

Um texto engraçadinho sobre as minhas amigaZ




Ana Cristina: é amiga-irmã. Amiga que é amiga, mesmo que a gente não queira. Dessa não dá pra fugir. É curiosa ao extremo e sensível. Fácil de irritar. Desconfiada... Pisciana, não é para menos. Já me salvou de muitas, me arrumou emprego e me emprestou dinheiro quando eu era pobre demais.  Me ama intensamente. Me idolatra, na verdade. Também, pudera: não é todo o mundo que tem a sorte de ter uma irmã como eu.




Ana Maria: é a cara da nobreza. É um doce de menina, modesta, linda e um pouco fresquinha, como eu! Não se envergonha do botox. Começou a trabalhar tarde e é a última que vai poder se aposentar. Brincadeirinha....







Carla: É o nosso pequeno gênio. Concurseira, estudiosa e caseira. Doce e meiga. Tem um coração maior que ela.  É uma super irmã. Um amor tão lindo que transborda pelos olhos. Eu sei o quanto é bom ter uma irmã que ama e protege a gente.





Cilaine: Nossa professora aloprada. É a que conheço menos profundamente, mas é uma figuraça. Anda com objetos estranhos no carro e põe a irmã em situações embaraçosas. Foi a tia que ensinou a pequena Manuela a fazer besourinho. A Vanessa ainda vai cobrar a conta da lavanderia. 






Eliane: A nossa zen-budista. Toma suco de clorofila, faz ioga, não come carne, medita. Mora no quadrado lilás, toma banho de ofurô e tem a vista mais bonita da galera. Aplica reike quando a gente torçe o pescoço. Quem olha para ela pensa que é menina-frágil, mas é mulher de atitude, não se engane!








Simone: A mais descolada das meninas. Modernete.  É támbém bem espiritual. Consegue transitar entre os mundos facilmente. Numa hora está mais para Dalai-Lama, daqui a pouco é chicleteira "oba oba". Vai virar mestra na ioga. Ela é minha única testemunha de que estrelas cadentes existem e minha amiga lua para sempre!








Loraine: É a mais cuca fresca de todas. É engraçada demais e tem  tendência em meditar em frente as malas. Conseguiu descobrir um carioca paraguaio em Salvador. Eles são tão iguais, que não consigo falar de um sem falar no outro. Praticamente siameses. Ama o que faz e não pode ver um container que tenta negociar um frete. Um detalhe: Sempre pontual.







Vanessa: A pioneira. Foi a primeira a noivar. Foi a primeira a casar. Foi a primeira a engravidar. Foi a primeira a d.. (?) opa, aí eu não sei... Essa é outra que é amiga à força. Cunhada. E como diz o ditado, se cunhada fosse bom  não começava com essa sílaba. Brincadeira: me apresentou ao meu melhor presente. E é a mamãe da turma. Fez uma criaturinha que é a coisa mais linda do mundo e o xodó da mulherada. 




Denise (vulgo eu): É a mais criativa da turma. A mais nova e a mais bonita. Modesta, como ja disse. É aquela que fica observando cada uma dessas mulheres incríveis e tem muito orgulho de poder chamá-las de amiga. Como sou mais nova (há), me espelho um pouco em cada uma de vocês. Apesar da distância que a vida nos impõe, o tempo que passo com vocês é muito precioso. E com certeza, meu coração é um pouco de cada uma de vocês.
Amo vocês, meninaz!

domingo, 12 de dezembro de 2010

Borboleta

Houve um tempo em que eu tinha vergonha do meu jeito, do meu sorriso, do meu corpo. Passei tanto tempo escondendo defeitos e talentos, medos e inseguranças.  A opinião alheia me atormentava e sofri muito tentando agradar a todos. Tarefa impossível.
Mas descobri o amor. O amor próprio. Conheço cada defeito do meu corpo e do meu caráter, mas também sei de cor todas as minhas qualidades. Que são muitas.
Já não tenho mais medo de demonstrar os meus medos, meus anseios. Já não tenho vergonha de exibir meus talentos ou admitir o quanto eu sou falha em outras coisas. Não é presunção, é aceitação. Me aceitar por inteiro, o que há de melhor e pior em mim. 
Saí do casulo. Estou livre.

sábado, 4 de dezembro de 2010

6 anos..Ao meu melhor amigo, meu companheiro, meu amor

Nossos caminhos são agora um só caminho,

nossas almas, uma só alma.
Cantarão para nós os mesmos pássaros,
e os mesmos anjos desdobrarão sobre nós as invisíveis asas.
Temos agora por espelho os nossos olhos;
o teu riso dirá a minha alegria,
e o teu pranto, a minha tristeza.
Se eu fechar os olhos, tu estarás presente;
Se eu adormecer, serás o meu sonho;
e serás, ao despertar, o sol que desponta.
Nossos mapas serão iguais,
e traçaremos juntos os mesmos roteiros
que conduzam às fontes escondidas
e aos tesouros ocultos.
Na mesma página do Evangelho encontraremos o Cristo,
partiremos na ceia o mesmo pão;
meus amigos serão os teus amigos,
perdoaremos com iguais palavras


aqueles que nos invejam.
Será nossa leitura à luz da mesma lâmpada,
aqueceremos as mãos ao mesmo fogo
e veremos em silêncio desabrochar no jardim
a primeira rosa da Primavera.
Iremos depois nos descobrindo nos filhos que crescem,
e não mais saberemos distinguir em cada um
os meus traços e os teus,
o meu e o teu gesto,
e então nos tornaremos parecidos.
E nem o mundo nem a guerra nem a morte,
nada mais poderá separar-nos,
pois seremos mais que nunca,
em cada filho,
uma só carne
e um só coração.
Que o homem não separe o que Deus uniu.
Que o tempo não destrua a aliança que nos prende,
nem os amores, o amor.
Que eu não tenha outro repouso que o teu peito,
outro amparo que a tua mão,
outro alimento que o teu sorriso.
E, quando eu fechar os olhos para a grande noite,
sejam tuas as mãos que hão de fechá-los.
E, quando os abrir para a visão de Deus,
possa contemplar-te como o caminho
que me levou, dia após dia,
à fonte de todo amor.
Nossos caminhos são agora um só caminho,
nossas almas, uma só alma.
Já não preciso estender a mão para alcançar-te,
já não precisas falar para que eu te escute…
 
CÂNTICO DE NÚPCIAS (Dom Marcos Barbosa)


sábado, 27 de novembro de 2010

Do amor de muitos anos...

...Zacharie e eu já temos história, podemos olhar para o passado e contar os dias que estivemos juntos, somar tristezas e alegrias; assim vai se fazendo o amor, sem pressa, dia a dia. Gosto dele como sempre, mas me sinto mais à vontade com ele do que antes.
...
Aprendemos a não discutir por ninharias, só pelo que é importante, o que não é pouco.
....


Trecho do livro a Ilha sob o mar, de Isabel Allende

Hoje fazemos seis anos de casamento civil. Ainda faltaria uma semana, há seis anos, para o dia mais feliz de minha vida.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Vovô e o castigo

Eu sempre falei muito, desde pequena. E continuo até hoje. Falo até cansar (ou alguém me mandar parar)...
Um dia na escola, acho que na primeira ou segunda série, de tanto conversar, a tia me deu um castigo: escrever zilhões de vezes a frase:
"Não devo conversar em sala de aula".
Mamãe ficou brava e me deixou em casa, aos cuidados do meu avô. Lembro dela dizer para ele:
- Pai, olha essa menina que ela está de castigo.
Meu avô olhou. Olhou, ficou com pena de mim e me tirou do castigo. Brincamos muito aquela tarde...
Um pouquinho antes de minha mãe voltar, ele me pôs de volta na frente do caderno. Danadinho.
Foi divertido. Aquele olhar cúmplice entre meu avô e eu quando minha mãe voltou para casa.
Acho que esta é a única lembrança que tenho do meu avô, lembrança minha e dele somente.
Logo depois, ele se foi...Mas a imagem do velhinho magrinho, de cabelo de algodão, sem vergonha e brincalhão, nunca mais saiu da minha mente.

P.S: De nada valeu este castigo, uma vez que continuei conversando muito em sala de aula, da primeira série ao MBA. Culpa do vovô.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Gosto muito de você, leãozinho...


É leãozinho, xinda!
Hoje em dia esta é a música que eu mais gosto de ouvir com o Gabriel. Basta eu entrar no carro pra ele pedir a Xuxa e por o "leãozinho" pra Dinda.
- Vai, Dinda, canta! é o que ele me diz..
E lá vou eu trocando o leãozinho por "cavalinho", "cachorrinho", "macaquinho" para ouvir a doce gargalhada desse meu leãozinho.


terça-feira, 16 de novembro de 2010

Mais uma afilhada!


Há um tempo atrás, escrevi aqui que havia apadrinhado uma criança no fundo cristão. A primeira menina que eu escolhi se afastou do projeto e demorou mais um pouquinho para eles me indicarem outra criança. Enfim, ganhei uma nova afilhada.
As correspondências começaram. Eu fiquei tão feliz em receber a carta dela e saber que de uma forma bem pequena, eu fazia parte do seu mundo e a ajudava. Pode parecer egoísta, mas está fazendo mais bem a mim do que a ela.
Eu sempre ajudei, mas de forma genérica. Ninguém especificamente. Ter a possibilidade de ter uma comunicação com ela e saber do seu desenvolvimento é muito bacana. Eu não ajudo somente uma instituição. Eu apadrinho uma menina de doze anos chamada Taís, que mora no interior do Ceará, e que gosta de matemática e inglês. Eu ajudo uma pessoa de carne e osso e sentimentos, mesmo que de longe. Eu apadrinho uma criança e não uma casa, um CNPJ. Isto pode parecer bobagem, mas faz uma enorme diferença.
Espero de coração que eu possa dar um pouco do meu amor a essa menina que mora tão longe, que tem tantos sonhos. Que de uma pequena forma, eu possa ajudá-la a ser uma boa pessoa. A ter uma vida melhor.
Não podemos esperar muito do governo, então bora cada um fazer a sua parte. Eu estou tentando fazer a minha, a minha minúscula parte. É um grão de areia, é o que posso agora, mas é melhor que nada.



Momento Tommy: tô me achando!

Extra!! Extra!! Extra!!


http://buenosairesdreams.blogspot.com/2010/11/projeto-aventura-portena-denise.html


Deixa eu contar a história: quando comecei a frenética pesquisa pra Buenos Aires, fui direto no Viaje na viagem, que para mim é uma bíblia. Riq (íntima, kkk) já havia me convencido a me hospedar na Recoleta, quando ví o comentário de um rapaz chamado Marco Cavalheiro sobre um tal hotel Querido. De lá fui pro site dele e da Mariana, dona deste hotel. E adorei o lugar. Desisti da dica do Riq Freire. Sei lá porque botei fé que aquilo não era propaganda e sim um depoimento sincero. Devo a minha acertada estadia a ele. Acabamos virando "facebook friends" e ele me convidou pra participar do projeto de relatos de viagem no blog Buenos Aires Dreams...
E agora, tô me achando que meu "humirde" post e fotos estão lá no blog!



segunda-feira, 15 de novembro de 2010

E lá se foi o último feriado aproveitável do ano...

E acabou-se..Agora só ano que vem. E olha que ano que vem está péssimo de feriado. Eu sei que ainda tem o dia 20 de novembro, Natal e Ano Novo...Mas todos estes serão em fins de semana, então acabou a moleza!
Só fez sol hoje, e bastante a tarde. De manhã tava fraquinho, nem animou para ir a praia...Depois de sexta e sábado ter sido uma gincana de tão agitado, aproveitei domingo e segunda para curtir meu marido, meu lar e minha cachorra. Consegui terminar o livro que comecei antes das férias. Coisa rara eu demorar tanto assim. Enfim, descansei.
Já estou em ritmo pesado no escritório. Na sexta saí as nove e meia da noite! Já tenho dezesseis horas-extra acumuladas em apenas uma semana. Ai, ai...Só mais três semanas e tudo volta ao normal.
E aí começa uma época boa. Cheirinho de natal no ar. Eu sempre adoro e me animo. Verão, praia, água de coco. Tô cansada de frio e chuva. Que venha o deus sol! Espero que ele não esqueça de aparecer este verão.
Dias de muita paz e amor. Benza Deus.

domingo, 7 de novembro de 2010

Música para o final do final de semana...

Blackbird singing in the dead of the night
Take these broken wings and learn to fly
All your life
You were only waiting for this moment to arise.
Blackbird singing in the dead of the night
Take these sunken eyes and learn to see
All your life
You were only waiting for this moment to be free.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

O post que eu não gostaria de escrever

Dilma foi eleita a primeira "presidenta"do Brasil. Eu cheguei a sonhar um dia com uma mulher assumindo tão poderoso cargo. Mas agora, que aconteceu, não sinto nenhum orgulho.
Não sinto, porque não confio nesta mulher. O seu passado é obscuro e tem algumas páginas trancadas em cofres. O que ela esconde? Seu passado não é nada glorioso...Sabemos tão pouco desta que irá nos representar por pelo menos quatro anos. E o que sei, me envergonha. Uma mulher que é elogiada por um ditador como o Chávez, que é chamada de companheira de armas e "linha dura" não me faz sentir orgulho. Uma mulher que tem atitudes dos homens mais detestáveis do mundo, não tem a minha cara, não me representa. Não gosto daquele olhar, ele me apavora.
Queria uma mulher no governo, sim, queria a Marina. Que me parece ser mulher de verdade, mas também determinada e forte. Que se preocupa com o mundo. Que tem o respeito internacional. Que sabe se fazer entender... Que é do diálogo. Mas sem Marina, votei em José Serra, um homem, que me parece mais competente, mais gente. Que tem uma história de luta pelo nosso país. Que não é perfeito, pois é político, mas que me parece humano. Não voto em gêneros, voto em competência. Voto no que acredito. E não acredito na farsa do PT.
Agora, o que me resta é estar errada, e rezar com toda a minha fé que ela faça um governo razoável. Porque não espero nada de extraordinário. Espero que a liberdade de expressão seja mantida. A democracia seja mantida. Apesar de que, antes mesmo de começar, uma equipe de jornalismo do CQC, foi espancada na festa da vitória. Lamentável. 
Espero que nenhum lunático importado junte-se a ela para oprimir este país. Espero que ela não seja tão esquerda, a ponto de restringir a liberdade do seu povo. Que ela caminhe para o centro, para o equilíbrio.
Espero que a sabedoria se derrame sobre ela, para que ela seja responsável com o destino de tanta gente. Que ela se torne mais humana no exercício do poder. Não sei se isso é possível. Tenho medo, mas rezo mesmo assim.
Rezo por ela e por todos os brasileiros.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Ah, Buenos Aires...


Que delícia é descobrir um lugar. E mesmo sendo um lugar novo, se sentir em casa. Foi assim em Buenos Aires.
Apesar de ser nossa primeira vez, foi como se a cidade nos pertencesse. 

Vista da Villa Crespo, pela nossa sacada
 A única coisa ruim foi que ficamos poucos dias. Fomos embora com um gostinho de quero mais, mas muito alegres por termos feito as escolhas certas.
A começar pelo hotel Querido. Um hotel pequeno e muito aconchegante, do jeito que a gente gosta. Sem frescuras, mas ao mesmo tempo, muito charmoso. As media lunas no café  da manhã com dulce de leche eram um sonho.  Decoração vintage, uma graça. As pessoas então, não poderiam ser melhores. Não saímos um dia sem que eles nos dessem a direção certa, uma dica, um sorriso.

Ficamos na Villa Crespo, um bairro tranquilo, onde caminhamos muito, inclusive à noite. Apesar de tranqüilo, com muitas atrações bem pertinho. Restaurantes, outlets, barzinhos. Tudo, num pulinho. 
Hola, como te llamas?
Mais um presente: o restaurante Salgado... Que massa é aquela! Comi "raviólis de carne de búfalo ao molho funghi". A massa derretia na boca. Um vinho para acompanhar, o meu amor, e uma brisa fresca que embalou o nosso almoço. Mais um lugar despretensioso e charmoso, que se pudesse, levava no bolso. 
Depois caminhar... Andamos muito, sem destino, pela Recoleta e  por Palermo. Fizemos passeio de criança no Zoo. Sorrisos simples ao imaginar o sorriso da llama.  Ver as crianças com aquele belo sotaque curtindo os animais. A alma aquieta e é nessas horas que somos felizes por completo.
Meu lugar preferido? O Rosedal. Tivemos a sorte de conhecer Buenos Aires na primavera. O parque estava todo florido e encheu os nossos olhos com uma explosão de cores: rosa, amarelo, branco, vermelho. Uma paz imensa. E uma sensação de gratidão. Sempre agradeço pelas belezas deste mundo.
O tango....Fomos ao Piazzolla, na Florida, e adoramos. A música é bem tocada. Os cantores são excelentes.   A dança é linda. A expressão forte no rosto dos dançarinos encanta. Emana paixão mesmo. Até o marido que não gosta, se rendeu aos trançados de perna. É contagiante, mesmo que você nunca tenha ligado para tango durante a sua vida.
Os livros: El Ateneo Grand Splendid. Que sonho! Parada obrigatória aos amantes da literatura. Fiquei um tempo olhando os títulos nas prateleiras, sentindo o perfume dos livros...Quem não gosta de cheiro de livro novo?  Mas não se deve deixar de olhar pra cima!  O lugar é mágico e inesquecível.
Mais comida e bebida: Bar 878, onde provamos "hamburguesa de cordero" e "wrap de pollo organico". Delícia!  O restaurante Social Paraíso e a cestinha de pães maravilhosos que devoramos (duas!).  A refeição: "Ojo de bife delicioso e mil hojas de vegetales". As empanadas quentinhas do La Continental. Assadas na hora. Sai até fumacinha do recheio. Hummmm... O sorvete Freddo. A cerveja Otro Mundo. Os vinhos. Os havannetes. Ainda bem que estes eu pude trazer para casa. Um a cada noite, até o fim das duas caixas...  Até o que não foi o melhor, foi bom: Il Gato, em Puerto Madero. 
O passeio do ônibus turístico foi sensacional. Conhecemos uma boa parte da história da cidade de forma confortável e divertida. O sotaque da narrativa em português é muito bacana. 
Descemos em La Boca. La Bombonera. Vimos o colorido do Caminito. Feira de San Telmo. Obelisco. Casa Rosada. Puerto Madero. Lugares cheios de história e cultura.
Apesar de receosos, não tivemos problemas com os tão falados golpes em Buenos Aires. Não recebemos nenhuma nota falsa. Os taxistas foram muito simpáticos e atenciosos conosco. Sorte? Talvez. Foram dias de sorte mesmo. Conhecemos um velhinho taxista que falava pelos cotovelos. Que nos disse ter sido jogador de futebol profissional. Que viajou de moto pelo Brasil e outros países da America Latina por três meses. Que nos contou um pouco da história da Argentina nos 30 minutos de viagem. E afirmou que o melhor jogador de futebol brasileiro na opinião dele foi o Rivelino e não o Pelé. Engraçado demais. Concordamos? Não. Mas rimos à beça.
Adoramos as cores da cidade. Adoramos o barulho das conversas, com um sotaque diferente. Adoramos a moda divertida das pessoas comuns. Dos cabelos despenteados das meninas portenhas. Dos penteados engraçados dos rapazes.
Buenos Aires é um lugar que tem alma. Que encanta.
Já sabíamos que Buenos Aires despertava paixões. Agora, eu e ele, somos mais dois apaixonados por esta linda cidade. 
Foi isso. Uma viagem deliciosa onde fizemos muito, mas que ainda ficou muito por fazer. Buenos Aires, querido: voltaremos um dia.



domingo, 17 de outubro de 2010

Sobre o roteiro

O Marcelo diz que sou maluquinha. Mas bem que ele se beneficia das minhas pesquisas. Quando fomos para Noronha, fiquei meses, pesquisando os lugares pra comer, onde ir, qual é melhor, o que vale mais a pena, preços, pousadas, essas coisas. Valeu cada hora perdida. Conseguimos uma pousada ótima, por um preço justo. Confortável, comida e cama excelentes. Ví umas pousadas por lá que me deram medo. Descobrimos uma pizzaria super romântica e gostosa que estava completamente fora das indicações para turista. Sem esquecer o Xica da Silva, o peixe mais gostoso da ilha. Enfim, quem não pesquisa, cai em algumas armadilhas.

Agora em Buenos, estou na mesma situação. É tanta informação que fico até confusa. Filtrar o que é sério é tarefa difícil. Mas até que consegui boas dicas.
O achado: hotel Querido. Já tinha feito reservas no Art Hotel, gostei das fotos, apesar de algumas poucas resenhas negativas. Mas continuei procurando. Até que cheguei ao site Mi buenos aires, querido, escrito por uma brasileira. Gostei. Depois descobri que ela tinha um hotel novinho. Gostei mais ainda. No facebook, me comuniquei com alguns ex-hóspedes do hotel que me deram referências excelentes...Minha intuição me mandou na hora cancelar as reservas do Art e fazer novas com ela. O atendimento até agora foi ótimo, só simpatia. Acredito que fiz uma boa escolha.
O viaje na viagem  é outra fonte maravilhosa pra qualquer destino. É só pesquisar que está tudo lá. Tem muita coisa sobre Buenos Aires. Me ajudou horrores com Noronha. É divertido e ele é muito atencioso com todos.
Outros que acho que vale a pena:
Filigrana, apaixonada por Buenos Aires
E o post divertido Buenos Aires para virgens, do Bala Perdida. Marcelo adorou esse. Rí bastante.
É isso.
P.S: Tô vendo que vai ser outro domingo preguiçoso de cama, com o note no colo, sem vontade de mover nada além dos dedos e dos olhos.

De papo pro ar....


Nala levando a sério a palavra "férias".
 Ai que maravilha! Já estou de férias há uma semana. Dormi muuuito nos primeiros dias. Mas muito mesmo. Tipo quase um dia inteiro. Lí bastante, fiquei na internet vendo besteiras sem compromisso, quase não ví televisão.
Já fui ao shopping pela manhã, que eu adoro, porque não tem quase ninguém. Cinema as três da tarde. Soneca sem horário. Tive dois aniversários, que você vai sem problemas, porque não precisa acordar cedo no dia seguinte. Eu adoro estar de férias. Agora estou nos preparativos para a viagem. Ainda não arrumei a mala, o preparativo que me refiro é mental. Zilhões de pesquisa sobre o que fazer. Pensar em que roupa levar. Definir roteiros. Essas coisas que são ótimas de se fazer antes de viajar.
Enfim, estou bebendo cada gotinha do descanso, porque ele se vai muito rápido. Hoje é o primeiro dia do horário de verão e estou meio fora de órbita. Primeiro porque tomei uns vinhozinhos ontem no aniversário do Jorge. Depois, porque por mais legal que seja, a gente perde uma hora de sono. E sono e comida são coisas deveras importante pra mim. Acordei as onze e parece que o dia nem existiu. Ainda me acostumo.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

O vestido do palhacinho

Acho que é a primeira recordação da minha infância. Um vestido azul marinho, com um palhaço segurando balões de gás. Os balões faziam barulho, como uma buzina. Não tenho nenhuma foto dele, mas tenho a certeza de ter tido algo assim.
Devia ter uns dois, ou três anos....
Eu só lembro que eu era muito feliz com ele.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

E por falar em cenas...

Impossível esquecer esta rosa na escada rolante. Estou romântica hoje, kkkk

Tangos e milongas

Acho que eu já disse que entro em curto circuito quando estou perto de viajar. Fico pesquisando tudo, desde onde ir, comer, ficar, passear, gastar, etc. etc.
Agora estou atrás de um bom tango. É tanta opinião que estou até confusa. Não estou nem um pouco afim de ver cavalos e Evita, mas também não quero pagar um fortuna por um tal de Rojo Tango, que parece lindo, mas muito caro. Não sei nem se vou gostar, afinal. Estou entre dois que me parecem apresentar um tango verdadeiramente portenho. Vamos ver...
Pra ilustrar, um tango lindo em uma cena de um filme inesquecível: Perfume de Mulher. E outro que dá até calor do Dança Comigo..Pena que o Marcelo não mexe nem os dedinhos pra dançar...rs rs







domingo, 3 de outubro de 2010

A ilha sob o mar

Minha primeira lembrança de felicidade, quando era uma pirralha magrela e desgrenhada, é a de mexer ao som dos tambores...
A música é um vento levado pelos anos, pelas lembranças e pelo temor, esse animal preso que carrego dentro de mim.
Com os tambores desaparece a Zarité de todos os dias e volto a ser a menina que dançava quando mal começava a andar. Bato no chão com as solas dos pés, e a  vida sobe pelas minhas pernas, percorre meus ossos, apodera-se de mim, acaba com a minha tristeza e adoça a minha memória.
O mundo estremece. O ritmo nasce de uma ilha sob o mar, sacode a terra, atravessa-me como um relâmpago e segue em direção ao céu, levando as minhas aflições...
"Dance, dance, Zarité, porque escravo que dança é livre...enquanto dança."
Eu sempre dancei.

Trecho do livro - belíssimo e emocionante -  de Isabel Allende, a Ilha sob o mar.

Segundo turno

Ouviram minhas preces..Haverá segundo turno para presidente.
Difícil, mas não impossível.
Minha esperança cresce novamente.

Dia de eleição

Hoje acordei cedo para votar. Um dia de primavera bem esquisito: frio e chuva.
A esperança vai comigo até o colégio onde voto e vou rezando para que Deus ilumine a cabeça desse povo. Que a pior de todos não seja a escolhida como vem alardiando as pesquisas. Eu, pelo menos, nunca fui pesquisada. Tenho medo de verdade deste resultado.
Eu levo muito a sério a eleição e sofro quando vejo que a maioria leva na brincadeira o futuro do nosso país. Essa coisa de que pior não fica é furada.É palhaçada mesmo. É possível piorar, e muito.
Penso num país já tão castigado e que futuro pode existir para os meus filhos...
Não acredito em super-heróis ou políticos perfeitos. Mas acredito em gente bem e mal intencionada. Gente de boa e má índole. Gente que erra tentando acertar e gente que só pensa em seu umbigo. Só vejo o lado ruim de uma candidata e vejo também a população cega ao seu comportamento duvidoso.
Mas tenho esperanças, ainda.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Síndrome psicótica de meteorologista

Ai, meus sais...
Que eu sou maluca, tenho plena consciência.
Mas eu tenho uma síndrome que me acomete no período pré-ferias. Sempre.
Eu simplesmente passo todos os dias anteriores (digo até mês) controlando o tempo do lugar que eu vou viajar.

Será que o bom tempo vai continuar? Será?

Sofro com cada chuva. Morro com cada previsão de mau tempo. Duvido quando os sites dizem que vai fazer sol. Negocio com São Pedro.Faço até chantagem emocional com o santo. Porque consigo ser otimista com tudo, menos com a previsão do tempo.
Para mim, viajar é igual a tirar fotos bonitas. Sempre quero trazer mais de mil. E nada mais lindo que fotos ensolaradas, avivando o colorido das cidades.
Em Noronha foi uma tortura. Passei o mês anterior desesperada porque diziam que chovia muito em fevereiro. E realmente choveu. Muito para os padrões de lá. 10 minutos em um dia e meia hora em uma madrugada. Nem atrapalhou. O dia seguinte estava tudo seco e lindo.
Enfim, nenhuma experiência positiva me tira essa neura...Será que tenho cura??

domingo, 26 de setembro de 2010

Virando mulher e a primeira TPM

Virei "mulher" aos 9 anos. Uma roubada.
Era uma tarde de sol, e eu estava andando de bicicleta com os meninos do meu prédio. Eu só tinha amiguinhos meninos por lá. Meninas, só no colégio.
Subi para fazer xixi e eis que descubro o meu infortúnio.
Sabia o que era, mas não queria acreditar.
Lembro do diálogo com a minha mãe:
- Deve ser a groselha, mãe, eu tomei muita groselha.
Minha mãe afirmou que não era a groselha. Chorei.
Em algum tempo os meninos vieram me chamar. E a primeira crise de TPM se manifestou: estava com ódio deles, porque eles não passariam pelo que eu estava passando. Lição número 1 de que mulher sempre sofre mais. 
Meninos: -  Você não vem  brincar mais?
Eu: - Não, estou com dor de cabeça.
Bati a porta na cara dos três.
E eu nem sequer imaginava que dor de cabeça era um clichê entre as mulheres.
A vida só estava começando.

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Quando a ficha cai

Conversando com uma amiga a respeito de fazer mais um aniversário e rindo dela que, ainda nem chegou nos trinta e anda toda preocupada, eu disse: -Não é tão ruim assim... E ela me disse: - O problema não é a idade, é outra coisa, uma angústia que eu não sei explicar....Daí eu entendi. E é um momento delicado e dolorido. É o momento que a ficha cai. É aquela hora em que a gente percebe que os sonhos que a gente sonhou e os planos que a gente planejou não aconteceram, ou saíram diferente demais. Pensamos: Cheguei aos 25 e ainda estou solteira. Cheguei aos 26 e não sei que profissão seguir...Cheguei aos 28 e não deslanchei na carreira. Cheguei aos 32 e ainda não sou mãe...Tenho 40 anos e nenhum Louboutin...E tantos outros planos que a gente tem na cabeça, tão certos quanto dois e dois são quatro, que não acontecem. Onde foi que eu errei nessa conta? Em que momento eu me perdi? A vida anda tão corrida que a gente nem sente o tempo passar e quando essa ficha cai, a sensação é uma pontada aguda no peito, que dá um susto na gente. Será que eu ainda tenho tempo? Será que ainda tenho chance?
Na cabeça cabem tantos sonhos que nem sempre cabem na vida. Por vários motivos, várias razões.
A vida quase nunca é o que se planeja, mas as vezes é melhor do que o planejado. Apesar das dores. Apesar das dificuldades. Apesar dos tropeços e dos atrasos. A nossa vida é nosso merecimento. Dessa vida, de uma outra passada (quem sabe?), de alguma forma, buscamos esta vida. E temos que lidar com ela.
Uma verdade: A vida nem sempre é justa. Fato.
Conselho de uma amiga mais velha: não faça tantos planos. Às vezes, eles mais atrapalham, que ajudam...
Deixe a vida te levar. Altere os planos sempre que preciso. Seja flexível. Aceite mas não desista. Reconsidere. Mude de opinião. Perdoe a si mesma. Você fez o seu melhor.  E sonhe com sapatos mais baratos.
Vai por mim.

Música para um sexta-feira que será feliz e de paz!

Todo dia é de viver
Sim, todo amor é sagrado
Para ser o que for
E ser tudo
E o fruto do trabalho
É mais que sagrado
Meu amor

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Sol de primavera, abre as janelas do meu peito....




Não me canso de celebrar a primavera com esta música! Tem língua mais bonita para celebrar esta estação?

sábado, 18 de setembro de 2010

Eu e as Melissas

Eu não deveria gostar de Melissas. Sapatos de plástico e pés que suam não combinam...Mas meu caso de amor com elas não tem fim. Outro dia, arrumando meu armário, contei 9 pares só de Melissa! Ai meu Deus! Mas elas são tão fofas e confortáveis...Não resisto....
Tive várias quando criança. A que mais lembro era a que vinha com óculos e pochetezinha...Tive uma na faculdade. Era de salto e usava com mini saia...Estava com uma na mala do carnaval em que rolou o clima entre o Marcelo e eu....Fazer o que? Aquele cheiro de chiclete me deixa louca....E o chulé de Melissa que me faz lavar as sapatilhar também! rs rs
É doença mesmo, eu me rendo.
A minha coleção:



E as que eu ando de olho...Uma, a pretinha nem sei se encontro mais que é da coleção passada, mas a do Bambi anda perseguindo o meu caminho!


Já não bastava ser viciada em sapatos normais e ainda por cima também nessas sapatilhas? Socorro!

Trabalho árduo: tranferir todos os textos do blig para cá

Estou com essa ideia faz tempo. O meu blog antigo está um desastre. Desde o incidente em 2006, não consigo deixá-lo apresentável. Os links para arquivos antigos desaparecem de tempos em tempos...Não consigo recuperar o layout originals como o gif dos noivinhos... Enfim, tenho medo de perder parte da memória daquele primeiro blog, principalmente porque ele retratou uma fase tão importante para mim: a preparação e os primeiros tempos do meu casamento.
Com isso, decidi trazer todos os textos do blig para cá. Vai ser um trabalho duro, mas acho que consigo. Infelizmente, não arranjei meios de fazê-lo eletronicamente, vai ser no braço mesmo. Mas quero recuperar estas lembranças tão gostosas da minha vida.
Fim de semana de frio e chuva. Eu e meu amor já escolhemos o filminho, pra ficar aconchegados esta noite.
Até!

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Como um dia, um dia comum...

Outra música velha que agarrou na minha mente.
Vou cantar alto, ver se ela desapega!

O que você vai ser quando crescer?

Primeiro de tudo, eu quis ser bailarina.
Brinquei de secretária, pensei em ser aeromoça.
Cheguei a cogitar ser paquita.
Sonhei em ser estilista.
Imaginei que podia ser artista!
Adorei bancar a escritora e desenhista.

Tentei, mas com minha voz, não consegui: ser cantora.
No colegial eu descobri: queria ser publicitária!
Mas a faculdade era longe e cara...
Pensei em me dar bem com marketing (?)
E no fim, decidi: administradora.

Hoje não sou nem bailarina, tampouco estilista.
Apesar do bacharelado, as vezes acho difícil administrar a própria vida.
Sou tão diferente do que imaginei ser um dia.
Sou tão igual aquela menina, ainda indecisa.

domingo, 12 de setembro de 2010

Um mês para as férias!

Mais quatro semanas e estarei de férias de novo. Nem acredito que está tão perto!
Ia tirar só quinze dias, mas estiquei um pouquinho e vou tirar vinte. Com a emenda da segunda-feira do feriado de 12 de outubro vou ficar em casa 25 dias! Que delícia!

A viagem será só no dia 21. Demora um bocadinho mais. E vai passar tão rápido...Já me arrependi por ter fechado só cinco dias. Quanto mais eu pesquiso sobre BAires, mais coisas eu quero fazer e não sei se vai dar tempo. Enfim, ainda bem que não fui na conversa do pessoal que diz que três dias é demais até. Já pensou?

É isso. Domingo de muita preguiça. Fez um final de semana lindo.
Que a semana seja boa!

sábado, 11 de setembro de 2010

A casa do lago

Assisti mais uma vez a Casa do Lago. Estava passando ontem a noite, e não resisti. Depois de um dia longo de trabalho, uma cama quentinha, boa companhia e um filme que você já adora antes de começar é o céu na terra. Eu adoro filmes, músicas, livros antigos. Sinto saudades das histórias e leio, vejo, escuto tudo de novo. E não canso. Tudo que é lindo não me cansa. Tudo que me encanta, não me cansa. Não me canso de amar as coisas simples da vida



terça-feira, 7 de setembro de 2010

O terceiro caminho

No plano do ego, constantemente nos iludimos ao pensar que ser absolutamente bom é possível. Nunca mais vamos mentir, trapacear, sentir inveja, perder a calma ou ceder a ansiedade. Essa intenção nunca dá certo, porque ser totalmente bom, o tempo todo, é tão rígido quanto ser qualquer outra coisa o tempo todo. Há momentos que é absolutamente certo e saudável ficar zangado ou sentir medo. A falha do pensamento positivo é que você não pode ser positivo o tempo inteiro...A vida apresenta desafios vindos do lado obscuro. Não precisamos endemoniar a sombra; ela é a fonte de quase todos os desafios que valem a pena ser enfrentados.
A ilusão na qual recaímos é pensar que a vida nos força a escolher entre o bem e o mal. Na realidade, há um terceiro caminho, que é ser pleno.

Trecho do livro "O efeito sombra", de  Deepak Chopra, Debbie Ford e Marianne Williamson


Feriado de pregui

Ufa! Ontem trabalhei até as nove e meia da noite. Estou exausta! Estamos em plena temporada de férias da equipe + aumento de trabalho no escritório. Combinação bizarra e cansativa! Mas enfim, após lidar com toda a burocracia do meu QUERIDO trabalho (pois eu amo meu trabalho, amo meu trabalho, amo meu trabalho - MANTRA), tenho a honra de poder desfrutar dois dias de folga.
Hoje pela manhã escutei o barulhinho da chuva na janela. O meu amor que é um fofo me deixou dormir até as dez da manhã e quando levantei já havia colocado a mesa para o café e espremido meu suco de laranja fresquinho. Que mordomia. Passamos o dia literalmente na cama, lendo, navegando na internet, descansando...Só levantei para fazer o almoço levinho e prático, pra depois voltar pra debaixo do edredom. Tem dias que é muito bom não fazer nada e eu estou adorando o meu dia de folga.  Literalmente.

sábado, 4 de setembro de 2010

Uma louca tempestade

Semana corrida! Mas consegui seguir a dieta direitinho e me manter em equilíbrio.
Assim é a vida, feita de fases, umas melhores, outras não tão boas assim. Tô cansada, trabalhando muito, mas não desesperada. Tô inteira. No mais, aguardando as coisas simples da vida: dois dias de feriado, a estréia de Comer, Rezar e Amar, férias e a viagem a BAires.

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

De Regime (de novo!?)

57.7 kg
É aqui que começamos. A minha luta eterna para emagrecer ganha mais uma etapa. Em 10 anos, ganhei 10,7 kilos e é muito. Imagina se eu continuar assim? Não dá.
O regime começou hoje firme e forte. Dieta de nutricionista. Nada de refrigerante. Muita água. Muitas fibras. Comer de três em três horas. E exercício. Até desci para a academia e fiz 40 minutos de esteira e eliptical.
Vamos ver. Preciso emagrecer antes das férias. Para poder me acabar de dulce de leche e chimichurri em Buenos Aires. Há. Cabeça de gordo é triste.
Antes de tudo, eu preciso emagrecer meu cérebro.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Brincadeira de verão

Imagem: dreamstime
Meus pais tinham uma chácara, perdida entre o mato e a lama. Era uma casa no meio do nada, mesmo.
Mas tinha um cheiro de verde que não lembro de ter sentido em nenhum outro lugar na vida.
Para crianças, como minha irmã e eu, que não tínhamos opção e éramos arrastadas para lá (quase) todos os finais de semana, nada tinha para se fazer. Nada. Daí a gente inventava.
Não sei se foram muitas vezes, ou somente uma, mas na minha lembrança existe uma brincadeira muito divertida, num dia de muito calor. Colocamos bíquini e brincamos de restaurante. Foi assim: tinha uma bandeja e alguns bules, que roubamos da cozinha  - devia ser resistente, pois não lembro de ter quebrado nem levado bronca. Enchíamos os bules de água, numa enorme caixa d'agua que ficava atrás da casa. Tinha também uma mesa branca de fibra, que completava o cenário e servia de restaurante imaginário. A gente revezava. Uma hora eu era "servida", outra hora eu "servia".
Mas a garçonete (qualquer uma delas) era muito desajeitada. Toda vez que trazia o pedido, derrubava tudo na cliente! Água para todo lado! E daí pedia mil desculpas: - desculpa senhora, vou trazer outro pedido...E derrubava tudo de novo....
Foram muitas gargalhadas - tão simples e inocentes - destas que não cabem mais na vida de adulto.
Passamos horas nessa brincadeira, boba e feliz, que refrescou a nossa infância.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

domingo, 22 de agosto de 2010

Mila's Daydreams

Achei esse site na net "Mila's Daydreams" e é um dos mais lindos que eu já vi. A mãe tenta interpretar os sonhos da filha e compõe cenários com coisas de casa para fotografar a pequena. Tão delicado, simples e bonito. Fiquei um tempão olhando cada foto, uma fofura. Como é lindo o amor de mãe. O amor é lindo de todas as formas e este é o amor mais sublime. Para inspirar a vida!
Link aqui

Update: Deletei a foto que ilustrava este post a pedido da própria autora. Infelizmente ela sofreu um gravíssimo plágio na internet, onde usaram as fotos do seu bebê para fazer propagandas, tirando o crédito das fotos dela e colocando o seu próprio. Um absurso.
Eu coloquei as fotos da forma que ela autorizava, ie, até quatro fotos, com link back para o site dela. Por respeito, preferi deletar ao invés de manter as imagens. Infelizmente, o pessoal ao invés de divulgar um trabalho que era belíssimo, fez mau uso das imagens. Uma pena. (14/11/2010).



terça-feira, 17 de agosto de 2010

Sobre as memórias...

Eu normalmente escrevo sobre o que está acontecendo agora ou sobre o futuro. Mas faz tempo que tenho vontade de registrar algumas memórias, algumas lembranças de um passado pouco ou muito distante.
Pode parecer bobagem, mas além de escrever para mim (porque me faz bem), às vezes penso que esse registro aqui possa ser legal para outras pessoas também (um dia quem sabe). Penso que quando eu não estiver mais nesse mundo, alguém possa querer lembrar do meu jeito, da minha voz. Talvez meus filhos, meus sobrinhos ou meus netos possam ter a curiosidade de saber como eu era, como eu pensava, como eu sentia.
Eu tenho muitas curiosidades: será que minha avó casou por amor? Como meu bisavô conheceu minha bisavó? Como era o vestido de noiva da minha tia? Como foi o dia do nascimento do meu tataravô? Foi verdade que existiam índios na família? Eu queria saber mais do eu sei das minhas origens, das minhas raízes. 
Eu amo história e estórias e toda a família tem a sua. Com o meu espacinho aqui, contribuo com a da minha família...Eu ainda não me perdôo por ter jogado todos os meus diários - dos 11 aos 17 anos - no lixo. Mas não dá pra chorar em cima do papel picado....
Assim, a partir de hoje começa a série "memórias". Todas as recordações que ainda não se perderam e que são relevantes (para mim) serão contadas aqui aos pouquinhos.

Memória

(Carlos Drummond de Andrade)
Amar o perdido
deixa confundido
este coração.
Nada pode o olvido
contra o sem sentido
apelo do Não.
As coisas tangíveis
tornam-se insensíveis
à palma da mão
Mas as coisas findas
muito mais que lindas,
essas ficarão.

domingo, 15 de agosto de 2010

Meu neguinho de volta na parada: Djavan - Ária: vem aí III

Clássicos do fim de semana

Podemos chamar assim, já que os dois filmes tem mais de 20 anos. O máximo do estrogênio em "When Harry meet Sally" e o exagero de testosterona de "Highlander"(apesar da pitada romântica). Prá agradar ambos os gêneros. H&S eu já tinha visto um milhão de vezes. Highlander foi a primeira. Para ele, foi vice e versa.
Delícia de companhia, trilha sonora de primeira.
Cada vez mais me convenço que ser feliz custa muito pouco.