quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Síndrome psicótica de meteorologista

Ai, meus sais...
Que eu sou maluca, tenho plena consciência.
Mas eu tenho uma síndrome que me acomete no período pré-ferias. Sempre.
Eu simplesmente passo todos os dias anteriores (digo até mês) controlando o tempo do lugar que eu vou viajar.

Será que o bom tempo vai continuar? Será?

Sofro com cada chuva. Morro com cada previsão de mau tempo. Duvido quando os sites dizem que vai fazer sol. Negocio com São Pedro.Faço até chantagem emocional com o santo. Porque consigo ser otimista com tudo, menos com a previsão do tempo.
Para mim, viajar é igual a tirar fotos bonitas. Sempre quero trazer mais de mil. E nada mais lindo que fotos ensolaradas, avivando o colorido das cidades.
Em Noronha foi uma tortura. Passei o mês anterior desesperada porque diziam que chovia muito em fevereiro. E realmente choveu. Muito para os padrões de lá. 10 minutos em um dia e meia hora em uma madrugada. Nem atrapalhou. O dia seguinte estava tudo seco e lindo.
Enfim, nenhuma experiência positiva me tira essa neura...Será que tenho cura??

domingo, 26 de setembro de 2010

Virando mulher e a primeira TPM

Virei "mulher" aos 9 anos. Uma roubada.
Era uma tarde de sol, e eu estava andando de bicicleta com os meninos do meu prédio. Eu só tinha amiguinhos meninos por lá. Meninas, só no colégio.
Subi para fazer xixi e eis que descubro o meu infortúnio.
Sabia o que era, mas não queria acreditar.
Lembro do diálogo com a minha mãe:
- Deve ser a groselha, mãe, eu tomei muita groselha.
Minha mãe afirmou que não era a groselha. Chorei.
Em algum tempo os meninos vieram me chamar. E a primeira crise de TPM se manifestou: estava com ódio deles, porque eles não passariam pelo que eu estava passando. Lição número 1 de que mulher sempre sofre mais. 
Meninos: -  Você não vem  brincar mais?
Eu: - Não, estou com dor de cabeça.
Bati a porta na cara dos três.
E eu nem sequer imaginava que dor de cabeça era um clichê entre as mulheres.
A vida só estava começando.

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Quando a ficha cai

Conversando com uma amiga a respeito de fazer mais um aniversário e rindo dela que, ainda nem chegou nos trinta e anda toda preocupada, eu disse: -Não é tão ruim assim... E ela me disse: - O problema não é a idade, é outra coisa, uma angústia que eu não sei explicar....Daí eu entendi. E é um momento delicado e dolorido. É o momento que a ficha cai. É aquela hora em que a gente percebe que os sonhos que a gente sonhou e os planos que a gente planejou não aconteceram, ou saíram diferente demais. Pensamos: Cheguei aos 25 e ainda estou solteira. Cheguei aos 26 e não sei que profissão seguir...Cheguei aos 28 e não deslanchei na carreira. Cheguei aos 32 e ainda não sou mãe...Tenho 40 anos e nenhum Louboutin...E tantos outros planos que a gente tem na cabeça, tão certos quanto dois e dois são quatro, que não acontecem. Onde foi que eu errei nessa conta? Em que momento eu me perdi? A vida anda tão corrida que a gente nem sente o tempo passar e quando essa ficha cai, a sensação é uma pontada aguda no peito, que dá um susto na gente. Será que eu ainda tenho tempo? Será que ainda tenho chance?
Na cabeça cabem tantos sonhos que nem sempre cabem na vida. Por vários motivos, várias razões.
A vida quase nunca é o que se planeja, mas as vezes é melhor do que o planejado. Apesar das dores. Apesar das dificuldades. Apesar dos tropeços e dos atrasos. A nossa vida é nosso merecimento. Dessa vida, de uma outra passada (quem sabe?), de alguma forma, buscamos esta vida. E temos que lidar com ela.
Uma verdade: A vida nem sempre é justa. Fato.
Conselho de uma amiga mais velha: não faça tantos planos. Às vezes, eles mais atrapalham, que ajudam...
Deixe a vida te levar. Altere os planos sempre que preciso. Seja flexível. Aceite mas não desista. Reconsidere. Mude de opinião. Perdoe a si mesma. Você fez o seu melhor.  E sonhe com sapatos mais baratos.
Vai por mim.

Música para um sexta-feira que será feliz e de paz!

Todo dia é de viver
Sim, todo amor é sagrado
Para ser o que for
E ser tudo
E o fruto do trabalho
É mais que sagrado
Meu amor

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Sol de primavera, abre as janelas do meu peito....




Não me canso de celebrar a primavera com esta música! Tem língua mais bonita para celebrar esta estação?

sábado, 18 de setembro de 2010

Eu e as Melissas

Eu não deveria gostar de Melissas. Sapatos de plástico e pés que suam não combinam...Mas meu caso de amor com elas não tem fim. Outro dia, arrumando meu armário, contei 9 pares só de Melissa! Ai meu Deus! Mas elas são tão fofas e confortáveis...Não resisto....
Tive várias quando criança. A que mais lembro era a que vinha com óculos e pochetezinha...Tive uma na faculdade. Era de salto e usava com mini saia...Estava com uma na mala do carnaval em que rolou o clima entre o Marcelo e eu....Fazer o que? Aquele cheiro de chiclete me deixa louca....E o chulé de Melissa que me faz lavar as sapatilhar também! rs rs
É doença mesmo, eu me rendo.
A minha coleção:



E as que eu ando de olho...Uma, a pretinha nem sei se encontro mais que é da coleção passada, mas a do Bambi anda perseguindo o meu caminho!


Já não bastava ser viciada em sapatos normais e ainda por cima também nessas sapatilhas? Socorro!

Trabalho árduo: tranferir todos os textos do blig para cá

Estou com essa ideia faz tempo. O meu blog antigo está um desastre. Desde o incidente em 2006, não consigo deixá-lo apresentável. Os links para arquivos antigos desaparecem de tempos em tempos...Não consigo recuperar o layout originals como o gif dos noivinhos... Enfim, tenho medo de perder parte da memória daquele primeiro blog, principalmente porque ele retratou uma fase tão importante para mim: a preparação e os primeiros tempos do meu casamento.
Com isso, decidi trazer todos os textos do blig para cá. Vai ser um trabalho duro, mas acho que consigo. Infelizmente, não arranjei meios de fazê-lo eletronicamente, vai ser no braço mesmo. Mas quero recuperar estas lembranças tão gostosas da minha vida.
Fim de semana de frio e chuva. Eu e meu amor já escolhemos o filminho, pra ficar aconchegados esta noite.
Até!

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Como um dia, um dia comum...

Outra música velha que agarrou na minha mente.
Vou cantar alto, ver se ela desapega!

O que você vai ser quando crescer?

Primeiro de tudo, eu quis ser bailarina.
Brinquei de secretária, pensei em ser aeromoça.
Cheguei a cogitar ser paquita.
Sonhei em ser estilista.
Imaginei que podia ser artista!
Adorei bancar a escritora e desenhista.

Tentei, mas com minha voz, não consegui: ser cantora.
No colegial eu descobri: queria ser publicitária!
Mas a faculdade era longe e cara...
Pensei em me dar bem com marketing (?)
E no fim, decidi: administradora.

Hoje não sou nem bailarina, tampouco estilista.
Apesar do bacharelado, as vezes acho difícil administrar a própria vida.
Sou tão diferente do que imaginei ser um dia.
Sou tão igual aquela menina, ainda indecisa.

domingo, 12 de setembro de 2010

Um mês para as férias!

Mais quatro semanas e estarei de férias de novo. Nem acredito que está tão perto!
Ia tirar só quinze dias, mas estiquei um pouquinho e vou tirar vinte. Com a emenda da segunda-feira do feriado de 12 de outubro vou ficar em casa 25 dias! Que delícia!

A viagem será só no dia 21. Demora um bocadinho mais. E vai passar tão rápido...Já me arrependi por ter fechado só cinco dias. Quanto mais eu pesquiso sobre BAires, mais coisas eu quero fazer e não sei se vai dar tempo. Enfim, ainda bem que não fui na conversa do pessoal que diz que três dias é demais até. Já pensou?

É isso. Domingo de muita preguiça. Fez um final de semana lindo.
Que a semana seja boa!

sábado, 11 de setembro de 2010

A casa do lago

Assisti mais uma vez a Casa do Lago. Estava passando ontem a noite, e não resisti. Depois de um dia longo de trabalho, uma cama quentinha, boa companhia e um filme que você já adora antes de começar é o céu na terra. Eu adoro filmes, músicas, livros antigos. Sinto saudades das histórias e leio, vejo, escuto tudo de novo. E não canso. Tudo que é lindo não me cansa. Tudo que me encanta, não me cansa. Não me canso de amar as coisas simples da vida



terça-feira, 7 de setembro de 2010

O terceiro caminho

No plano do ego, constantemente nos iludimos ao pensar que ser absolutamente bom é possível. Nunca mais vamos mentir, trapacear, sentir inveja, perder a calma ou ceder a ansiedade. Essa intenção nunca dá certo, porque ser totalmente bom, o tempo todo, é tão rígido quanto ser qualquer outra coisa o tempo todo. Há momentos que é absolutamente certo e saudável ficar zangado ou sentir medo. A falha do pensamento positivo é que você não pode ser positivo o tempo inteiro...A vida apresenta desafios vindos do lado obscuro. Não precisamos endemoniar a sombra; ela é a fonte de quase todos os desafios que valem a pena ser enfrentados.
A ilusão na qual recaímos é pensar que a vida nos força a escolher entre o bem e o mal. Na realidade, há um terceiro caminho, que é ser pleno.

Trecho do livro "O efeito sombra", de  Deepak Chopra, Debbie Ford e Marianne Williamson


Feriado de pregui

Ufa! Ontem trabalhei até as nove e meia da noite. Estou exausta! Estamos em plena temporada de férias da equipe + aumento de trabalho no escritório. Combinação bizarra e cansativa! Mas enfim, após lidar com toda a burocracia do meu QUERIDO trabalho (pois eu amo meu trabalho, amo meu trabalho, amo meu trabalho - MANTRA), tenho a honra de poder desfrutar dois dias de folga.
Hoje pela manhã escutei o barulhinho da chuva na janela. O meu amor que é um fofo me deixou dormir até as dez da manhã e quando levantei já havia colocado a mesa para o café e espremido meu suco de laranja fresquinho. Que mordomia. Passamos o dia literalmente na cama, lendo, navegando na internet, descansando...Só levantei para fazer o almoço levinho e prático, pra depois voltar pra debaixo do edredom. Tem dias que é muito bom não fazer nada e eu estou adorando o meu dia de folga.  Literalmente.

sábado, 4 de setembro de 2010

Uma louca tempestade

Semana corrida! Mas consegui seguir a dieta direitinho e me manter em equilíbrio.
Assim é a vida, feita de fases, umas melhores, outras não tão boas assim. Tô cansada, trabalhando muito, mas não desesperada. Tô inteira. No mais, aguardando as coisas simples da vida: dois dias de feriado, a estréia de Comer, Rezar e Amar, férias e a viagem a BAires.