sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Um ano de amor para todos: É disso que o mundo precisa!!

Feliz ano velho. Feliz ano novo.



2010 foi um grande ano!
Que ano bom! Cheio de amor!
Que 2011 seja tão abençoado e feliz como este!
E vamos rezar pela mega da virada! rs rs
Até o ano que vem.
Posted by Picasa

Receita de ano novo


Para você ganhar belíssimo Ano Novo 
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;
novo até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?)
Não precisa
fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumidas
nem parvamente acreditar
que por decreto de esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.
Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

(Carlos Drummond de Andrade)


sábado, 25 de dezembro de 2010

Página 369

A vida, entendeu, era bem parecida com uma música.
No começo há mistério, e no final, confirmação, mas é  no meio que reside a emoção e faz com que a coisa toda valha a pena.
Pela primeira vez em meses, não sentiu dor alguma; pela primeira vez em anos, obteve as respostas às suas perguntas. Ao ouvir a música que Ronnie havia composto, a música que Ronnie havia aperfeiçoado, fechos seus olhos sabendo que tinha terminado sua busca pela presença de Deus.
Finalmente, havia entendido que a presença de Deus está em todo lugar, em todos os momentos, e é sentida, em um momento ou outro, por todas as pessoas. Estava nos momentos em que havia trabalhado com afinco na janela com Jonah; estava nas semanas em que havia passado junto com Ronnie. Estava ali e agora, enquanto sua filha tocava aquela música, a última que iriam partilhar. Em retrospectiva, perguntou-se com tinha deixado de perceber algo tão incrivelmente óbvio.
Deus, entendeu subitamente, era o amor em sua mais pura forma e, nesses últimos meses com seus filhos, tinha sentido Seu toque com a mesma certeza que ouvia a música pelas mãos de Ronnie. 

Trecho do belíssimo livro A última música, de Nicholas Sparks

Noite feliz. Dia feliz.

Que lindo dia e noite de Natal. Estar com a família é um presente. E me desculpe quem não gosta, sei que tem muito de comércio e tudo o mais, mas é muito bom ter um dia especial pra lembrar de Jesus e ficar com quem a gente ama. Infelizmente a vida não nos proporciona tempo suficiente para fazermos isso sempre, então que benção é o Natal. Ver o sorriso da minha cunhada com o seu bebê nos braços, olhar o Gabriel cada dia mais lindo e com saúde, ver o brilho nos olhos da Ju, cheios de orgulho, por ser mãe de um anjo. Ver a Nathália virar uma linda mulher, minha irmã super realizada em reunir a família em seu novo lar....Ver meu amor brincar  como criança com o Ricardo. Ver minha mãe feliz em ver a gente feliz, e juntos. Eu verdadeiramente me alimento da felicidade daqueles que amo. Cada sorriso, cada abraço ficam registrados em minha memória e são meus amuletos da sorte para superar as dificuldades da vida. Porque elas existem, é claro, mas se tornam mais leves quando a gente tem o essencial no coração: o amor. Essas pequenas coisas, tão pequeninas, é que nos dão força e coragem de seguir em frente. Meu coração transborda de tanto amor, de tanto agradecimento. 
Um feliz natal a todos!




domingo, 19 de dezembro de 2010

Um texto engraçadinho sobre as minhas amigaZ




Ana Cristina: é amiga-irmã. Amiga que é amiga, mesmo que a gente não queira. Dessa não dá pra fugir. É curiosa ao extremo e sensível. Fácil de irritar. Desconfiada... Pisciana, não é para menos. Já me salvou de muitas, me arrumou emprego e me emprestou dinheiro quando eu era pobre demais.  Me ama intensamente. Me idolatra, na verdade. Também, pudera: não é todo o mundo que tem a sorte de ter uma irmã como eu.




Ana Maria: é a cara da nobreza. É um doce de menina, modesta, linda e um pouco fresquinha, como eu! Não se envergonha do botox. Começou a trabalhar tarde e é a última que vai poder se aposentar. Brincadeirinha....







Carla: É o nosso pequeno gênio. Concurseira, estudiosa e caseira. Doce e meiga. Tem um coração maior que ela.  É uma super irmã. Um amor tão lindo que transborda pelos olhos. Eu sei o quanto é bom ter uma irmã que ama e protege a gente.





Cilaine: Nossa professora aloprada. É a que conheço menos profundamente, mas é uma figuraça. Anda com objetos estranhos no carro e põe a irmã em situações embaraçosas. Foi a tia que ensinou a pequena Manuela a fazer besourinho. A Vanessa ainda vai cobrar a conta da lavanderia. 






Eliane: A nossa zen-budista. Toma suco de clorofila, faz ioga, não come carne, medita. Mora no quadrado lilás, toma banho de ofurô e tem a vista mais bonita da galera. Aplica reike quando a gente torçe o pescoço. Quem olha para ela pensa que é menina-frágil, mas é mulher de atitude, não se engane!








Simone: A mais descolada das meninas. Modernete.  É támbém bem espiritual. Consegue transitar entre os mundos facilmente. Numa hora está mais para Dalai-Lama, daqui a pouco é chicleteira "oba oba". Vai virar mestra na ioga. Ela é minha única testemunha de que estrelas cadentes existem e minha amiga lua para sempre!








Loraine: É a mais cuca fresca de todas. É engraçada demais e tem  tendência em meditar em frente as malas. Conseguiu descobrir um carioca paraguaio em Salvador. Eles são tão iguais, que não consigo falar de um sem falar no outro. Praticamente siameses. Ama o que faz e não pode ver um container que tenta negociar um frete. Um detalhe: Sempre pontual.







Vanessa: A pioneira. Foi a primeira a noivar. Foi a primeira a casar. Foi a primeira a engravidar. Foi a primeira a d.. (?) opa, aí eu não sei... Essa é outra que é amiga à força. Cunhada. E como diz o ditado, se cunhada fosse bom  não começava com essa sílaba. Brincadeira: me apresentou ao meu melhor presente. E é a mamãe da turma. Fez uma criaturinha que é a coisa mais linda do mundo e o xodó da mulherada. 




Denise (vulgo eu): É a mais criativa da turma. A mais nova e a mais bonita. Modesta, como ja disse. É aquela que fica observando cada uma dessas mulheres incríveis e tem muito orgulho de poder chamá-las de amiga. Como sou mais nova (há), me espelho um pouco em cada uma de vocês. Apesar da distância que a vida nos impõe, o tempo que passo com vocês é muito precioso. E com certeza, meu coração é um pouco de cada uma de vocês.
Amo vocês, meninaz!

domingo, 12 de dezembro de 2010

Borboleta

Houve um tempo em que eu tinha vergonha do meu jeito, do meu sorriso, do meu corpo. Passei tanto tempo escondendo defeitos e talentos, medos e inseguranças.  A opinião alheia me atormentava e sofri muito tentando agradar a todos. Tarefa impossível.
Mas descobri o amor. O amor próprio. Conheço cada defeito do meu corpo e do meu caráter, mas também sei de cor todas as minhas qualidades. Que são muitas.
Já não tenho mais medo de demonstrar os meus medos, meus anseios. Já não tenho vergonha de exibir meus talentos ou admitir o quanto eu sou falha em outras coisas. Não é presunção, é aceitação. Me aceitar por inteiro, o que há de melhor e pior em mim. 
Saí do casulo. Estou livre.

sábado, 4 de dezembro de 2010

6 anos..Ao meu melhor amigo, meu companheiro, meu amor

Nossos caminhos são agora um só caminho,

nossas almas, uma só alma.
Cantarão para nós os mesmos pássaros,
e os mesmos anjos desdobrarão sobre nós as invisíveis asas.
Temos agora por espelho os nossos olhos;
o teu riso dirá a minha alegria,
e o teu pranto, a minha tristeza.
Se eu fechar os olhos, tu estarás presente;
Se eu adormecer, serás o meu sonho;
e serás, ao despertar, o sol que desponta.
Nossos mapas serão iguais,
e traçaremos juntos os mesmos roteiros
que conduzam às fontes escondidas
e aos tesouros ocultos.
Na mesma página do Evangelho encontraremos o Cristo,
partiremos na ceia o mesmo pão;
meus amigos serão os teus amigos,
perdoaremos com iguais palavras


aqueles que nos invejam.
Será nossa leitura à luz da mesma lâmpada,
aqueceremos as mãos ao mesmo fogo
e veremos em silêncio desabrochar no jardim
a primeira rosa da Primavera.
Iremos depois nos descobrindo nos filhos que crescem,
e não mais saberemos distinguir em cada um
os meus traços e os teus,
o meu e o teu gesto,
e então nos tornaremos parecidos.
E nem o mundo nem a guerra nem a morte,
nada mais poderá separar-nos,
pois seremos mais que nunca,
em cada filho,
uma só carne
e um só coração.
Que o homem não separe o que Deus uniu.
Que o tempo não destrua a aliança que nos prende,
nem os amores, o amor.
Que eu não tenha outro repouso que o teu peito,
outro amparo que a tua mão,
outro alimento que o teu sorriso.
E, quando eu fechar os olhos para a grande noite,
sejam tuas as mãos que hão de fechá-los.
E, quando os abrir para a visão de Deus,
possa contemplar-te como o caminho
que me levou, dia após dia,
à fonte de todo amor.
Nossos caminhos são agora um só caminho,
nossas almas, uma só alma.
Já não preciso estender a mão para alcançar-te,
já não precisas falar para que eu te escute…
 
CÂNTICO DE NÚPCIAS (Dom Marcos Barbosa)