terça-feira, 5 de abril de 2011

Baba, baby...

Toda mulher tem uma história de pé na bunda, onde o outro entra com o pé e você com a bunda. Eu tenho as minhas, claro.
A história mais engraçadinha de todas (porque as outras não foram nada divertidas, para falar a verdade), foi a de um menino que eu gostei por uns bons dois anos no colégio. Eu era a "amiga", isto é, ele achava que eu era um menino. Chorei muito por esta criatura. Deve ter sido lá pros meus 13 anos. Eu era desengonçada, bobona, ingênua, cabeluda "Capitão Caverna style" e magrela. Enfim, ele namorava todas as menininhas menos a mim. Um dia ele resolveu me dar um beijinho à toa e me encheu de esperanças...E no dia seguinte partiu meu coração pela primeira vez quando eu vi ele se agarrando no cinema com outra menina. Chorei muito de novo. Sofri a primeira desilusão da minha vida...Mas, como mulher descolada que era desde pequena, segui em frente e esqueci dele.
Muitos anos depois (quase uns 10), eu reencontrei o dito cujo numa festa. Estava no meu auge, corpaço de academia, bem na fita. Solteira e feliz. E daí como eu tava sem fazer nada aquela noite mesmo, resolvi dar umas bitocas nele. Nada demais. Só que o feitiço virou...Depois disso, a criatura grudou no meu pé. Ligava, insistia, implorava. E eu, não sentia nada, nem pena.
Foi bom. Aproveitei o gostinho da vingança...Tenho que confessar: dava trela só pra sacanear mesmo, depois desprezava o coitado. Eu sei que por isso não vou pro céu, mas foi gostoso, aproveitei cada gota desta pequena maldade. Depois a brincadeira ficou chata e nem mais trela eu dava.
Dessa vez foi ele que entrou com a bunda.

P.S: Toda esta história porque eu ouvi esta música e lembrei desta memória. Inacreditável como a Gadu consegue fazer uma trash music se transformar em algo audível. Talento.

Nenhum comentário: