terça-feira, 18 de setembro de 2012

O tempo voa...

Filho, você está pertinho de completar seis meses. Um tempo que passou voando, mas tão cheio de emoções que equivalem por uma vida inteira. Um segundo do seu sorriso é certeza de que valeu a pena ter nascido, crescido e vivido. Você, meu pequenino, conseguiu transformar nossas vidas de uma maneira tão profunda que não tem mais volta. Nunca mais serei a mesma pessoa porque hoje você existe. E você me fez tão melhor filho, tão mais humana, tão mais sensível, tão mais mulher.

Com a sua chegada, consegui de fato compreender o que era importante. Saúde. Família. Um lar. Isto é tudo e por tudo isso temos que dar graças todos os dias. Por você, eu saí do meu mundinho, parei de olhar o meu umbigo e olhei em volta. Prestei atenção na vida de verdade. Porque antes, filho, tudo era eu, tudo era meu, eu era vítima do mundo. Tinha síndromes, xiliques e achava desaforo o que a vida me fazia sentir. Qualquer bobagem, era o fim do mundo. Era mimada, hoje vejo com clareza. Amadureci.

Depois que você nasceu, eu descobri a dor da impotência. Porque eu enxerguei lá na frente e sei que nem sempre eu estarei do seu lado pra te ajudar. Hoje eu me dou por inteiro, mas amanhã, eu não poderei impedir algum sofrimento que a vida lhe causar... Hoje eu vejo e compreendo a dor nos olhos de outras mães e passei a ter profundo respeito por todas elas. Queremos ser eternas, onipotentes e isto não é possível... Eu pude finalmente enxergar a minha mãe como uma igual. Hoje eu sei o que eu significo pra ela, e isto é grandioso e assustador. Isto é o maior amor do mundo. Com você, eu descobri o segredo da felicidade. A felicidade é se entregar por inteiro a outro ser. Dar sem esperar nada em troca.  Jesus Cristo nos ensinou assim, mas só com a maternidade pude descobrir o verdadeiro significado de amar o próximo. E além de amar você profundamente, eu passei a ter mais amor, compaixão e respeito pelos outros seres humanos. 

Depois que você nasceu, eu passei a amar seu pai ainda mais. Porque você é a soma da nossa essência, e ninguém mais além dele poderia me dar você. Você ora se parece com ele, ora comigo e nesta mistura, nos fundimos mais e mais. Eu não posso olhar para você sem vê-lo; assim com ele vê muito de mim em você. Somos dois, mas em você, somos um.

Agradeço a Deus por ter me dado a chance de vivenciar tudo isso. Ainda tenho tanto o que aprender...Ainda tenho tanto o que te ensinar. Estamos só no começo, filho.

sexta-feira, 27 de julho de 2012

4 meses: um misto de emoções

Amor, felicidade, angústia, medo, alegria, desespero, fé...
Do céu ao inferno em segundos. Foi assim os primeiros quatro meses de nossas vidas.

sexta-feira, 1 de junho de 2012

2 meses de Felipe

Filho, você completou dois meses! Parece que foi ontem que descobri a sua vinda e agora você já está aqui conosco, crescendo e ficando cada dia mais lindo.
Todos os dias você me ensina alguma coisa, filho. Eu que pensei que já havia passado algum desafio na vida, que já tinha descoberto o caminho da paciência, da fé e da serenidade; vejo que a maternidade é a última fronteira. Em momento nenhum vivi dias de completo êxtase e ao mesmo tempo, preocupação e angústia. Filho, ser mãe é mesmo padecer no paraíso.
Eu brinco que você pediu pra vir "com emoção" nesta vida. Em dois meses, já passamos por algumas coisas que muita gente nunca passará. Você ficou doentinho, foi internado, passeamos até de ambulância...Meu coração se quebrou vendo você tristinho, sendo furado no hospital para tomar remédio, soro...Nunca chorei tanto...Mamãe, que sempre fugiu das agulhas, teve que ficar consolando você.
Agora você está bem, mas o coração da mamãe sempre se aperta e meus instintos ficam todos alertas se você começa a ficar mais enjoadinho. Costumo dizer que invoco uma bolha de proteção em você. Mamãe que já era ansiosa, agora ficou pior. Tenho que controlar este sentimento e confiar no Deus todo poderoso que me deu você de presente. Mas é difícil filho, muito difícil. Mamãe morre de véspera e sofre com isso. Esse aprendizado ainda não acabou. Rezo muito por você e por mim. Estamos no caminho.

Com dois meses, vieram os sorrisos abertos quando brincamos com você, os primeiros balbucios, uma intimidade maior entre você e eu. Ficamos grudadinhos o tempo todo e é bom demais, apesar de todo o cansaço. Você acorda sorrindo e conversa muito com seu pai. Dá gritinhos pra ele. Ele te ama tanto, filho, dá pra ver nos olhos. Você conseguiu mudar um homem e o transformou num paizão. Agora você também dá umas esticadinhas na hora de dormir, chegou até a sete horas e meia de sono ininterrupto. Há um mês atrás, achei que isso seria impossível. Mas de dia ainda não prega o olho, a não ser no colo. Tá ficando muito sem vergonha. Mas a mamãe deixa e agora nem se preocupa. Exorcizei a voz da encantadora de bebês que ficava ecoando na minha cabeça dizendo que eu estava fazendo tudo errado. Amar demais e cuidar demais é errado, filho? Meu coração diz que não. Estou fazendo tudo o que acho que você precisa. Afinal, você foi tirado do seu aconchego e ainda está se acostumando com este mundo. Logo terá que ir para a escolinha. Terá muitos anos pela frente de rotina severa e regras. Agora, eu deixo você ser só meu bebezinho. Deixo você usar e abusar do meu peito, do meu colo e da minha paciência. Porque sei que chegará o dia que você me pedirá um tempo e seu próprio espaço.

Por tudo e com tudo, mamãe está muito feliz. E ainda temos tanto coisa pela frente...


domingo, 13 de maio de 2012

A canção de qualquer mãe - De Lya Luft

Que nossa vida, meus filhos, tecida de encontros e desencontros, como a de todo mundo, tenha por baixo um rio de águas generosas, um entendimento acima das palavras e um afeto além dos gestos – algo que só pode nascer entre nós. Que quando eu me aproxime, meu filho, você não se encolha nem um milímetro com medo de voltar a ser menino, você que já é um homem. Que quando eu a olhe, minha filha, você não se sinta criticada ou avaliada, mas simplesmente adorada, como desde o primeiro instante.

Que, quando se lembrarem de sua infância, não recordem os dias difíceis (vocês nem sabiam), o trabalho cansativo, a saúde não tão boa, o casamento numa pequena ou grande crise, os nervos à flor da pele – aqueles dias em que, até hoje arrependida, dei um tapa que ainda agora dói em mim, ou disse uma palavra injusta. Lembrem-se dos deliciosos momentos em família, das risadas, das histórias na hora de dormir, do bolo que embatumou, mas que vocês, pequenos, comeram dizendo que estava maravilhoso. Que pensando em sua adolescência não recordem minhas distrações, minhas imperfeições e impropriedades, mas as caminhadas pela praia, o sorvete na esquina, a lição de casa na mesa de jantar, a sensação de aconchego, sentados na sala cada um com sua ocupação.
Que quando precisarem de mim, meus filhos, vocês nunca hesitem em chamar: mãe! Seja para prender um botão de camisa, ficar com uma criança, segurar a mão, tentar fazer baixar a febre, socorrer com qualquer tipo de recurso, ou apenas escutar alguma queixa ou preocupação. Não é preciso constrangerem-se de ser filhos querendo mãe, só porque vocês também já estão grisalhos, ou com filhos crescidos, com suas alegrias e dores, como eu tenho e tive as minhas. Que, independendo da hora e do lugar, a gente se sinta bem pensando no outro. Que essa consciência faça expandir-se a vida e o coração, na certeza de que aquela pessoa, seja onde for, vai saber entender; o que não entender vai absorver; e o que não absorver vai enfeitar e tornar bom.
Que quando nos afastarmos isso seja sem dilaceramento, ainda que com passageira tristeza, porque todos devem seguir seu caminho, mesmo que isso signifique alguma distância: e que todo reencontro seja de grandes abraços e boas risadas. Esse é um tipo de amor que independe de presença e tempo. Que quando estivermos juntos vocês encarem com algum bom humor e muita naturalidade se houver raízes grisalhas no meu cabelo, se eu começar a repetir histórias, e se tantas vezes só de olhar para vocês meus olhos se encherem de lágrimas: serão apenas de alegria porque vocês estão aí. Que quando pareço mais cansada vocês não tenham receio de que eu precise de mais ajuda do que vocês podem me dar: provavelmente não precisarei de mais apoio do que do seu carinho, da sua atenção natural e jamais forçada. E, se precisar de mais que isso, não se culpem se por vezes for difícil, ou trabalhoso ou tedioso, se lhes causar susto ou dor: as coisas são assim. Que, se um dia eu começar a me confundir, esse eventual efeito de um longo tempo de vida não os assuste: tentem entrar no meu novo mundo, sem drama nem culpa, mesmo quando se impacientarem. Toda a transformação do nascimento à morte é um dom da natureza, e uma forma de crescimento.
Que em qualquer momento, meus filhos, sendo eu qualquer mãe, de qualquer raça, credo, idade ou instrução, vocês possam perceber em mim, ainda que numa cintilação breve, a inapagável sensação de quando vocês foram colocados pela primeira vez nos meus braços: misto de susto, plenitude e ternura, maior e mais importante do que todas as glórias da arte e da ciência, mais sério do que as tentativas dos filósofos de explicar os enigmas da existência. A sensação que vinha do seu cheiro, da sua pele, de seu rostinho, e da consciência de que ali havia, a partir de mim e desse amor, uma nova pessoa, com seu destino e sua vida, nesta bela e complicada terra. E assim sendo, meus filhos, vocês terão sempre me dado muito mais do que esperei ou mereci ou imaginei ter. 

Fonte: http://veja.abril.com.br/120510/cancao-qualquer-mae-p-032.shtml

terça-feira, 1 de maio de 2012

As primeiras semanas: no olho do furacão

Aproveitando o tempinho que o Felipe está dormindo no peito do papai e mamãe está sem sono...

Por mais que eu estivesse preparada, a realidade da maternidade caiu sobre meus ombros rapidamente e desmanchou o romantismo que criei em minha cabeça durante os nove meses... Porque grávida, sonhamos com aquele bebê anjo, que mama e dorme e a mamãe que  sorri ou chora só de emoção...Quando o bebê nasce, descobrimos que não é o "amor romântico" que vem primeiro. O que nos faz sobreviver este momento tão atribulado é um amor visceral por aquele ser tão indefeso, é o amor de fêmea que acabou de parir. Mesmo cansada, insone, com dor, a beira da exaustão, você ainda consegue fazer um pouco mais de esforço pela sua cria. Você chora, se desespera e pensa que está no seu limite, que não vai conseguir, mas sempre consegue ir um pouquinho além. Não há como desistir ou parar.  Para uma mãe, não há alternativa. Toda mãe tem que ser forte e seguir em frente, por mais difícil que seja. É um amor que brota de dentro, instintivo, irracional e indescritível.




domingo, 15 de abril de 2012

Felipe nasceu!

No dia 21 de março de 2012 minha vida mudou....Às 9:04h nasceu Felipe Monteiro Gouvinhas, nosso primeiro filho. A ansiedade estava a mil. Sentia que tudo seria diferente a partir daquele momento.
A primeira emoção foi ouvir o choro do bebê e ouvir do médico que tudo estava bem. Ele nasceu pesando 3,075kg e com 46,5cm. E perfeito. Tirou 10 no seu primeiro teste de Apgar! Estávamos no céu! Foi a primeira vez que ví o Marcelo chorar de emoção. E ver a emoção dele me deixou mais emocionada ainda. Só um filho para trazer a tona alguns sentimentos. Posso usar um milhão de palavras para tentar explicar, mas não dá,  só sentindo mesmo.

Sabia que a partir deste dia, eu deixaria de ser filha para ser mãe. Sabia que eu teria que ser forte - não por mim - mas pelo Felipe. E assim foi, desde a primeira hora. Me preparei muito, lí muitos livros, mas nunca conseguiria dimensionar o quanto essa aventura seria tão deliciosa, maluca e assustadoramente difícil ...



sexta-feira, 16 de março de 2012

38 semanas...Faltam poucos dias para a gente se conhecer

Filho, chegamos a termo! Você completou 38 semanas e agora já é um bebê prontinho, pode vir ao mundo a qualquer momento...Mamãe está tão, mas tão feliz que não sabe nem explicar...Ela está muito ansiosa, às vezes pensa em besteira e tem medo, mas a plenitude e a alegria são maiores, e estão comigo todo o tempo...Mamãe tem rezado bastante para Papai do céu nos iluminar no dia do nosso encontro.
O seu papai está todo orgulhoso e feliz, suas avós, todos a sua volta te esperam ansiosamente.
Hoje mamãe pegou suas lembrancinhas e o enfeite da porta da maternidade...Ficaram lindos! Tudo com muito capricho e muito amor...As malas estão prontas, o vinho do porto separado para brindarmos a sua chegada! Enfim, agora só falta você!

domingo, 4 de março de 2012

36 semanas - Tá chegando, filho!

Meu amorzinho,

Cada dia que passa, estamos mais perto de nos conhecermos. A ansiedade é grande, mas mamãe não tem pressa. Quero que você chegue no seu tempo. Está tudo pronto agora: desde as coisas materiais, até o espírito da mamãe e do papai. Estamos muito unidos, uma união diferente desde que soubemos de sua existência; tudo é mais forte, o elo é muito poderoso. Estamos conscientes de que seremos pais de um garotinho muito lindo e especial. Mas além de pais de um garotinho, seremos pais de um homem do futuro. E queremos te fazer um bom homem, porque o mundo está precisando, filho. De bons homens, de bom coração, de gente que respeita o mundo e as pessoas. Você não será meu garotinho pra sempre e isso assusta, filho.  O tempo passa tão rápido e num piscar de olhos, você que hoje é só meu, sairá do meu ventre e  será do mundo. Um mundo tão lindo, mas por tantas vezes difícil...É um longo aprendizado, filho, e teremos que aprender juntos: você, papai e eu. Não sabemos de nada dessa jornada de formar uma pessoa, é um salto no escuro, pois tudo será novo para nós três. Será uma nova vida com a sua chegada. Mas saiba que estamos tão felizes em te esperar e te receber, e prontos pra te dar muito amor. O bem mais essencial. É é tanto amor guardado em meu peito, que parece que vai explodir. 
Você está grande e forte e não sossega aqui dentro. Cada vez que sinto você é uma alegria e um alívio; tenho certeza que você está bem.
Logo, logo, filho, estaremos juntos e seremos uma família.
Te amo desde antes, agora e para sempre.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

O ensaio fotográfico

A escolha da fotógrafa

Como eu já disse aqui, eu quase desisti do ensaio gestante. Primeiro porque não queria de jeito nenhum tirar fotos em estúdio, daquelas bem tradicionais. Eu queria fotos que contassem a nossa história, que fizessem sentido pra mim, mesmo que não fizesse sentido pra mais ninguém. Queria fotos da Nala também, porque ela é minha primogênita, rs. Ví zilhões de sites de fotógrafos que faziam o tipo de ensaio que eu queria, mas a maioria era de SP, de Curitiba, ie, caríssimos e  distantes da minha realidade. Até que descobri depois de muitas horas de pesquisa, uma fotógrafa chamada Loraine Prokisch, que chamou minha atenção. Primeiro porque as fotos dela eram exatamente como as que eu sonhava. Depois, porque ela era daqui de Santos e usava a cidade que eu tanto amo como cenário para as fotos. Mandei o primeiro e-mail meio encabulada, pedindo orçamento. Pela qualidade do trabalho dela e sabendo o quanto minha irmã já havia pago no ensaio tradicional, achei que meu bolso não suportaria o baque, ou que não conseguiria data, ou que fosse uma fotógrafa estrela que me mandasse uma resposta automática e seca. Muito pelo contrário e que surpresa boa!  A própria me respondeu o e-mail de forma carinhosa e atenciosa e ainda quando confirmei o ensaio, me enviou um questionário para saber um pouco mais sobre a gente. Nota 10. Senti ali que tinha acertado na minha escolha.

O papai tímido, um trabalhão

Casei com o Marcelo ciente de que ele d-e-t-e-s-t-a fotografia... Quando mencionei para o papai que tinha marcado um ensaio gestante e gostaria que ele participasse também, ouvi um sonoro "não, a gestante é você, o ensaio é seu".  Depois de semanas de convencimento, biquinhos, algumas lágrimas de crocodilo e chantagem emocional, consegui um "eu tiro cinco fotos, o resto é com você". Mais alguns dias de abordagem estratégica, inflação de ego (você é muito mais bonito que este papai careca, olha aqui), consegui umas coisinhas mais: "Eu faço algumas fotos por você e pelo Felipinho". Quando contei que o ensaio seria em algum lugar público, achei que meu plano tinha ido por água abaixo.... Mas no fim, o combinado foi de que ele tiraria as fotos na "Lagoa", mas não no "Emissário". Ok, condição aceita. Eu já havia me preparado psicologicamente para o caso de ele desistir, mas segui confiante no meu plano. 

As condições climáticas.

São Pedro fanfarrão, assim como na véspera do meu casamento, mandou uma chuvarada nos dias anteriores das fotos. Na sexta-feira estava super triste porque achei que teria que remarcar o ensaio e fiquei preocupada de não ter uma data compativel com a fotógrafa. No sábado o tempo amanheceu muito esquisito, achei que não ia dar mesmo. Até já estava conversando com a Loraine, verificando disponibilidade de outras datas. Fiquei tristona. Apelei para a poderosa Santa Clara, fiz minha simpatia do sal e saí para arrumar o cabelo, porque graças a Deus, sou brasileira e não desisto nunca. O tempo começou a melhorar do nada e minha esperança começou a aumentar. Por volta das duas e meia da tarde o tempo estava lindo e confirmamos o ensaio para as quatro e meia daquele dia. Santa Clara clareou!

As locações 

Escolhi tirar as fotos na Lagoa da Saudade, porque foi a locação que utilizamos no nosso casamento e como complemento o parque do emissário submarino, que é líndissimo. Quando casamos e fotografamos lá na lagoa, não havia ninguém lá na hora das fotos, só nós e os fotógrafos. Super tranquilo. Quando chegamos na lagoa para o ensaio gestante, carregando roupas, balão e a Nala, o espaço estava lotado. A comunidade estava em peso lá: tinha churrasco, crianças, festa cigana, samba e marihuana, tudo junto e misturado. Gelei e pensei: agora não tenho mais foto nenhuma do papai...Mas apesar de falar entre dentes "eu te mato", ele tirou algumas fotinhos. Depois, partimos para o emissário e encontramos outro lugar lotado de pessoas curtinho um lindo dia. O sol estava a pino, um céu azul maravilhoso e mesmo assim, papai ainda topou algumas fotos por lá. O final do ensaio ficou por minha conta mesmo, mas conseguimos várias imagens bonitas, inclusive fotos em um lindo por de sol,  meu Felipinho e eu, recordação de um momento mágico da minha vida que eu vou guardar pra sempre.

O ensaio rendeu muito mais do que eu esperei. Tirei fotos com minha mãe, que foi minha assistente e carregadora da Nala e acessórios (tadinha!) e com a Larissa e a Cris (que bisbilhoteira apareceu  por lá, kkk). Tinha todo o direito, já que invadi o ensaio dela também. A empatia com a Loraine foi total, ela ficou comigo um tempão e me senti muito à vontade. Só tenho a agradecer ao papai Marcelo, que sei que fez uma baita sacrifício em vencer sua timidez por amor, a Loraine por ter sido tão bacana com a gente, a mamãe ajudante (minha mãe sempre me salva e embarca nas minhas loucuras) e a Santa Clara, por me proporcionar um lindo dia de sol. Ainda não tenho o resultado final do ensaio, ela me mandou só uma prévia com três fotos, mas tenho certeza que ficou tudo lindo. O principal ela captou: o amor crescendo no meu ventre e transbordando nos meus olhos. O sorriso tímido do Marcelo, mas o orgulho de ser o "responsável" por aquela barriga. Eu olho estas fotos e só vejo, amor, amor, amor. Era tudo o que eu queria.

A lagoa: nem parece que estava com super lotação

Olha este céu azul. Valeu Santinha!

Felipinho e eu: essa barriga é tão fotogênica

domingo, 29 de janeiro de 2012

Chá de bebê

Seu chá de bebê foi lindo, filho. Mamãe trabalhou por dias a fio, pensando, criando, recortando, dando laços e colando. Mas tudo valeu a pena,  foi um dia tão gostoso! Uma vibração positiva, pessoas que já te amam dando carinho para você e para a mamãe.
No final do dia, mamãe estava super cansada, mas super feliz! Você ganhou vários presentinhos e muitas fraldas. Mamãe que adora contabilizar as coisas, contou: 1494 fraldinhas! Muito né, filho? Você vai usar todas! Além disso, tem um caderno cheio de amor e palavras carinhosas para você ler quando for maior. Você vai se emocionar, assim como a mamãe. Você vai entender o quanto é amado, mesmo antes de nascer.
Filho, tudo tem dado certo para gente. Vocé é um menino de sorte. O mundo continua conspirando a nosso favor. Mamãe continua firme na fé e em orações para que tudo dê certo na nossa hora. Está cada dia mais perto. É muito amor, filho, tão grande que eu não consigo explicar, só sentir.


A mesa: tudo feito com muito amor

Suas vovós: depois da mamãe, as mulheres que mais te amam nesse mundo...

A irmã e melhor amiga da mamãe e se Deus quiser, Larissa será como sua irmã também.

A titia e priminha Gouvinhas: você será o reizinho dos Gouvinhas!

As comadres: tanto amor que transborda nos olhos

Seu rostinho

Filho, finalmente chegamos na época em que pudemos ver o seu rostinho, ainda na barriga da mamãe. Foi tão bom! A doutora disse que você é um galãzinho, e a mamãe concordou. Papai, vovó, sua dinda e a sua prima Larissa estavam lá para ver você também. Papai estava cheio de orgulho, foi uma delícia ver a empolgação dele pela sua beleza. Muita emoção nesse nosso primeiro encontro.
Você é um lindo bebê, e está crescendo forte e saudável. Com 30 semanas, seu peso era de 1,440kg e 37cm! Agora, já deve estar maior, pois você está crescendo rápido. Nesta semana, nos veremos novamente em uma nova ultrassom.
Você tem mexido cada dia mais, principalmente por volta das seis, sete horas da tarde, seu horário preferido. É uma delícia sentir você dentro de mim. Às vezes você responde ao toque da mamãe. Eu bato aqui por fora e você chuta. Já nos divertimos juntos desde agora.
Agora falta pouco, filho. Em breve, terei você nos meus braços e vou poder conferir todos os seus traços, sua boquinha linda, seu cheirinho. Venha no seu tempo, não tenha pressa, estamos cheios de amor e prontos pra te receber.



sábado, 21 de janeiro de 2012

O que o Felipe já me ensinou...

- A saber que tudo tem seu tempo, e entender que esperar pode ser doce e divertido;
- A amar incondicionalmente, sem "se". Eu não sei como ele será, mas já o amo do jeito que ele for.
- A enxergar além do próprio umbigo
- A me preocupar ainda mais com o mundo, uma vez que quero que o mundo seja melhor pra ele
- A viver com somente dois pares de calças e ser feliz do mesmo jeito.
- A entender meus pais e todas as suas suas preocupações.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Diálogos da gravidez

Eu: Tô gorda, amor?
Ele: Não amor, tá grávida
Eu: Tô feia?
Ele: Não amor, tá linda
Eu: Tô chata?
Ele: Chata tá....Não pode estressar por bobeira...
Eu: Mas eu só me estresso com coisas importantes...
Ele: É... A rolha do tanque que sumiu é muito importante mesmo...


Tive que rir. Acho que os hormônios estão interferindo no meu estado normal...

domingo, 8 de janeiro de 2012

Preparativos e expectativa

O chá do Felipinho já está idealizado e saindo da cabeça. Convites, "save the date", lembrancinhas, tudo arranjado. Faltam alguns detalhes, o bolo de fraldas, mas está tudo praticamente encaminhado. Fazer tudo por minha conta é trabalhoso, mas me dá um imenso prazer. É me mantendo ocupada que deixo minha ansiedade de lado...Apesar de vez em quando minha mente ser invadida por pensamentos assustadores, eu sempre os afasto com os meus preparativos e quando preciso, com orações.

Mais uma fornada de convites
Este mês será cheio. Esta semana tem médico e tenho certeza que vou tomar bronca, pois enfiei o pé na jaca no natal. Faz mais de um mês que não faço ultrassom e estou morrendo de curiosidade de saber o tamanho que está o garotão. Com certeza, novos exames de sangue serão pedidos (eu nunca vou me livrar desse medo) e o parto é um assunto que ronda minha cabeça o tempo todo. Dá medo, não tem jeito. Ando com uma dor no púbis e fica todo o mundo matracando que terei parto normal. Nem sei quantificar o que mais me assusta: Um corte de não sei quantas camadas na barriga ou pensar que uma parte do meu ser vai se abrir o suficiente para passar a cabeça do bebê....Assustador, eu disse.
Semana que vem vamos comemorar os 4 aninhos do Gabriel e na outra temos o ultrassom 4D tão esperado e o chá do Felipe. No dia 28 já está agendado o ensaio gestante, que depois de muito procurar (e quase desistir), achei uma fotógrafa maravilhosa que tem exatamente o estilo que eu buscava. Estou muito ansiosa para fazer o ensaio, sonhando com o resultado e já estou rezando para estar bem no dia e estar aquele tempo perfeito (aquela sindrome de metereologista básica)!
Como sempre, desde o dia em que me descobri grávida, o mundo está conspirando a favor, e tudo o que eu tenho desejado, acaba por aparecer no meu caminho. Deus é bom!


Ainda em ritmo forte no trabalho, apesar de estar andando como uma pata. Estou envolvida até o último fio de cabelo em um projeto da empresa, dando o resto do meu sangue antes da licença. Como tenho 10 dias de férias antes do parto (se dentro do previsto), ainda consigo descansar um pouco.


É isso. Queria ter documentado minha gravidez por aqui com mais cuidado, mas nem sempre sobra tempo. E quando sobra, tenho aproveitado para descansar, dormir, ler, ver meus filmes, porque sei que em breve meus dias serão todos preenchidos com mamadas e fraldas. Estou feliz e  ansiosa por isto, mas sei que vou sentir falta dos meus dias tranquilos, por isso, trato de aproveitar agora.

2012: é o seu ano, filho!

Chegamos em 2012, filho! O novo ano chegou e já está voando. Estamos com 28 semanas e no máximo em mas 12 estaremos juntos...A ansiedade começou a bater na porta...
Mamãe continua se sentindo ótima, só um pouco mais cansada. Você mexe muito, dá chutinhos e cotoveladas e sempre reage quando a mamãe pega a Larissa no colo. Será que você já sabe quem ela é? Tomara filho, porque vocês com certeza serão grandes amigos, praticamente irmãos.
No Natal, convidamos os tios Ana Cristina e Ricardo para serem seus padrinhos e eles ficaram super emocionados. Uma alegria só filho! Você está em boas mãos.
Mamãe está a mil com os preparativos do seu chá de bebê. Muita gente se ofereceu para fazer, mas a mamãe - controladora do jeito que é - quis fazer tudo do jeitinho dela. Cada lacinho, cada convitinho está carregado de amor, de carinho. Vai ser uma alegria reunir tanta gente que já te ama!


Na próxima semana vamos ver você em 4D. Estou louca para conhecer o seu rostinho. Mas fique tranquilo aí, a mamãe espera até você estar pronto.