terça-feira, 18 de setembro de 2012

O tempo voa...

Filho, você está pertinho de completar seis meses. Um tempo que passou voando, mas tão cheio de emoções que equivalem por uma vida inteira. Um segundo do seu sorriso é certeza de que valeu a pena ter nascido, crescido e vivido. Você, meu pequenino, conseguiu transformar nossas vidas de uma maneira tão profunda que não tem mais volta. Nunca mais serei a mesma pessoa porque hoje você existe. E você me fez tão melhor filho, tão mais humana, tão mais sensível, tão mais mulher.

Com a sua chegada, consegui de fato compreender o que era importante. Saúde. Família. Um lar. Isto é tudo e por tudo isso temos que dar graças todos os dias. Por você, eu saí do meu mundinho, parei de olhar o meu umbigo e olhei em volta. Prestei atenção na vida de verdade. Porque antes, filho, tudo era eu, tudo era meu, eu era vítima do mundo. Tinha síndromes, xiliques e achava desaforo o que a vida me fazia sentir. Qualquer bobagem, era o fim do mundo. Era mimada, hoje vejo com clareza. Amadureci.

Depois que você nasceu, eu descobri a dor da impotência. Porque eu enxerguei lá na frente e sei que nem sempre eu estarei do seu lado pra te ajudar. Hoje eu me dou por inteiro, mas amanhã, eu não poderei impedir algum sofrimento que a vida lhe causar... Hoje eu vejo e compreendo a dor nos olhos de outras mães e passei a ter profundo respeito por todas elas. Queremos ser eternas, onipotentes e isto não é possível... Eu pude finalmente enxergar a minha mãe como uma igual. Hoje eu sei o que eu significo pra ela, e isto é grandioso e assustador. Isto é o maior amor do mundo. Com você, eu descobri o segredo da felicidade. A felicidade é se entregar por inteiro a outro ser. Dar sem esperar nada em troca.  Jesus Cristo nos ensinou assim, mas só com a maternidade pude descobrir o verdadeiro significado de amar o próximo. E além de amar você profundamente, eu passei a ter mais amor, compaixão e respeito pelos outros seres humanos. 

Depois que você nasceu, eu passei a amar seu pai ainda mais. Porque você é a soma da nossa essência, e ninguém mais além dele poderia me dar você. Você ora se parece com ele, ora comigo e nesta mistura, nos fundimos mais e mais. Eu não posso olhar para você sem vê-lo; assim com ele vê muito de mim em você. Somos dois, mas em você, somos um.

Agradeço a Deus por ter me dado a chance de vivenciar tudo isso. Ainda tenho tanto o que aprender...Ainda tenho tanto o que te ensinar. Estamos só no começo, filho.

Nenhum comentário: