quinta-feira, 21 de maio de 2015

Para não deixar para amanhã...

Mais de um ano sem registrar aqui uma história, uma frase.
Eu que me comprometi documentar a sua infância com detalhes, tenho deixado passar tanta coisa por pura falta de tempo.
Tanta coisa aconteceu nesse tempo que não vou lembrar dos detalhes.
Só sei dizer que você anda crescendo rápido, está lindo e esperto, e estamos cada dia mais apaixonados: você, eu, seu pai.
Acabamos de passar por um momento delicado: mamãe precisou viajar a trabalho para muito longe, e ficou fora por mais de vinte dias. Você ficou com papai e vovó Regina e se comportou como um verdadeiro mocinho. Sofremos todos, mas passamos por mais essa prova, saindo dela ainda mais unidos. Quando voltei, foi uma alegria só. Desde então, você está um grudinho com a mamãe. Me abraça, me beija, fala que me ama e faz carinho no meu rosto. É o melhor carinho do mundo! Ainda consigo enxergar um pouquinho de medo nos seus olhos de que eu suma de novo. E isso corta meu coração, ao saber que fiz você sofrer de alguma forma. Não posso prometer que isso jamais vai acontecer, e algumas vezes, será realmente necessário. Seu pai e eu estamos batalhando pelo nosso futuro, filho.
Esta viagem marcou também o fim de outra etapa em nossa vida: a amamentação. Filho, pode contar para todo o mundo: você foi amamentado por três anos e um mês! Três anos de dedicação, de vínculo, de cumplicidade. A mamãe aproveitou essa viagem para tomar essa decisão. Não foi fácil porque uma vez encerrado, é um período que jamais voltará. E já sinto falta dos nossos momentos, de você no meu colinho aninhado, da nossa troca de olhares. Você não lembrará desses momentos, filho, mas eu jamais vou esquecer. Porque foi essencial na contrução do nosso vínculo. Porque é gratificante demais alimentar um filho. Porque por um tempo eu era tudo o que você precisava. Eu, que quando engravidei achei que não conseguiria amamentar direito, virei praticamente uma vaquinha leiteira. Leite tipo A, como diz o seu pediatra. Só muito amor, filho, para prolongar esse momento por tanto tempo, porque é bom, é divino, mas é também cansativo. Cumprimos nossa missão com louvor. Tenho muito orgulho de nós dois, da nossa história. Como é recente, você ainda alisa meu peito e pede "peitinho" de vez en quando. Mas consigo distrair você e logo você esquece. Era o momento, filho. As vezes, não podemos deixar o momento certo passar.
Agora estamos na luta para desfraldar você, que se recusa a usar o penico ou o vaso. Mamãe criou um mural do xixi, para cada vez que você acertar, você vai ganhar um adesivo. Sei que premiar não é a melhor forma de educar, mas estou tentando de tudo! Vamos ver o que conseguimos, meu moleque resistente... 
Apesar de tudo o que anda acontecendo no mundo, seguimos nosso caminho em paz e harmonia. Eu me emociono ao perceber quanto amor existe em nosso lar, filho, e creio que isso será a base para o seu futuro e seu caráter.
Você é uma criança adorável. E eu tenho muita sorte de ter você em minha vida.





Nenhum comentário: